josedasilva @ 23:09

Sex, 12/05/06

O Google, Yahoo , Altavista e tantos outros têm vindo nos últimos anos a tentar proteger os seu editores e anunciantes do grande problema de cliques fraudulentos nos anúncios pagos.

Esta "fraude" pode vir em diversas formas, desde visitantes que decidem clicar no link do concorrente de modo a exceder mais rapidamente o orçamento diário e este deixar de ser exibido, já para não falar no prejuizo do concorrente, a motores que fazem esse trabalho por eles mesmos, nos motores podemos ter um único motor, ou um grupo distinto de motores espalhados pelo mundo.

O resultado é "Prejuízo", para o motor de pesquisa e para o anunciante.

Algumas das formas encontradas por estes mecanismos foram, muitas vezes usadas em conjunto:

* Filtrar o número de cliques permitidos por IP / Visitante , permitindo apenas 1 ou um número infimo de clicks.

* Não contabilizar um clique que vem de um visitante se este nao aceitar cookies, tentaram desta forma resolver o problema dos "robots" , que não aceitando cookies eram ignorados, no entanto isto esbarrou na recente politica anti-cookie , por motivos de privacidade de alguns browsers e pessoas, não sendo assim fiável.

* Ter em conta o cabeçalho enviado pelo browser indicando a sua identificaçã, USER AGENT, no entanto os "robots", muitos deles, possuem de mecanismos de multi USER AGENT, iludindo assim a validação.

* Geo-Referência: Ignorar cliques tendo em conta a posição no globo do visitante, como para alguns negócios a localização do indivíduo é importante, tendem-se a bloquear, ignorar, pontos do globo, não é necessário dizer que este tipo de técnica aplica-se em muitos poucos casos.

Existem algumas técnicas com algum grau de eficácia no que concerne ao problema do click fraudulento, no entanto ainda nenhum dos grandes motores conseguiu encontrar a fórmula que lhes poderá render milhões, até lá, vão jogando com os meios que dispõem.



josedasilva @ 00:40

Sab, 06/05/06

Não é por isto:



que uso Firefox, mas bem que podia ser.

Via Kaylee



josedasilva @ 22:59

Sex, 05/05/06

O sistema de templating Smarty pode ser usado para tratar também o “problema” do desenvolvimento dos sistemas multi-linguas.

A solução encontrada foi a criação de um ficheiro de configuração usando secções para separar as diversas linguas conseguindo assim um grau de facilidade de actualização acima do normal.

Ficheiro “language.conf”

[pt]
titulo=”Portugal”
saudacao=”Bem Vindo”
[uk]
titulo=”Ingles”
saudacao=”Welcome”
[es]
titulo=”Espanhol”
saudacao=”Bienvenido”

Ficheiro index.tpl

{config_load file=”language.conf” section=$language}
Language and Smarty
{$smarty.config.saudacao}
Lingua: {$smarty.config.titulo}

Ficheiro index.php

< ?
// Carregar a biblioteca do Smarty
require('smarty/Smarty.class.php');

// Array com as linguagens permitidas
$languages = array("pt","uk","es");

// Iniciar o objecto smarty
$smarty = new Smarty;

$smarty->template_dir = ‘./’;
$smarty->compile_dir = ‘./;
$smarty->config_dir = ‘./’;

if(!isset($_GET[”language”]) || !in_array($_GET[”language”],$languages))
$_GET[”language”]=”pt”;

$smarty->assign(’language’,$_GET[”language”]);
$smarty->display(’index.tpl’);
?>

Consegui assim um grau de separação que me permite fornecer ao “cliente” a possibilidade de tradição do sistema sem necessitar de conhecimentos de qualquer linguagem, tornando o processo intuitivo.Espero que a técnica ajude mais alguém.

Tags:

Blog pessoal de José Silva. Sou programador informático, nos últimos anos dedicado quase exclusivamente ao PHP.
Maio 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


Pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO